MAGAZINE

6. Creole Global Music Contest com vencedores lusófonos

Foto Natalie Greffel com o se prémio © Copyright Daniela Incoronato

O 6. Creole: Global Music Contest aconteceu em Berlim entre os dias 1 e 3 de Setembro de 2017. Entre os concorrentes seleccionados, estiveram nomes lusófonos como Carlos Dalelane & Band (Moçambique), Conexão Berlim (banda internacional com inspiração na música brasileira) ou Natalie Greffel, artista de origem Moçambicana e Dinamarquesa que vai buscar inspiração à música brasileira.

A Berlinda teve a oportunidade de conversar com dois deles: Andreas Weiser, da banda Conexão Berlim, e Natalie Greffel, uma das vencedoras do Festival, juntamente com Carlos Dalelane & Band e Leléka, que receberam um prémio monetário no valor de 2.000 euros.

 

Natalie Greffel

 

É vocalista, percussionista e compositora. Já fez participações em diversos projectos e com diferentes músicos. Pode revelar-nos um pouco mais do seu percurso musical?

Acho difícil falar sobre um caminho musical, dado que a minha vida é fazer música todos os dias, então eu considero isso mais como algo que faz parte de mim. O momento em que a música se tornou uma parte maior de mim foi quando comecei a trabalhar com músicos profissionais em 2012/2013. Foi quando percebi que queria levar a música a sério. Descobri muitas coisas sobre mim através da música e da vida que levo desde 2012: o que significa que ser uma mulher mestiça queer no mundo da música (até aprender e refletir sobre isso), não acreditando em mim mesma com excesso de confiança, como comunicar e respeitar os outros e o meu espaço, onde me vejo como pessoa através da música - e a lista continua. Trabalhar com diferentes projetos e géneros ajuda-me a encontrar uma maneira diferente de me expressar em diferentes papéis, o que me parece muito gratificante e capacitador.

 

Com raízes Moçambicanas e Dinamarquesas, foi em Berlim que começou a perseguir a sua carreira profissional. E é ao Brasil que vai buscar inspiração. Como descreve a música que nasce desta mistura de lugares?

Tive a sorte de ter uma fanática de música como mãe, que amava a música (geração da MTV). O problema aqui é que eu era uma criança quando gravar CDs começou a ser uma coisa mais utilizada. Então, tenho muito pouco conhecimento sobre a música que ouvi, uma vez que eram principalmente "fitas misturadas" com títulos como "Best of Africa", "Melhor da dança moçambicana de 2001", "best of kwassa kwassa" e a minha mãe também não poderia explicar-me nada sobre essa música. Eu também era uma pessoa muito passiva quando se tratava de escolher música para brincar, por exemplo. Eram a  minha irmã e a minha que procuravam e encontravam novos artistas ou tocavam música na casa, eu apenas ouvia o que estivesse tocando. Por isso tenho muita música que posso ouvir na minha cabeça, mas, muitas vezes, nenhum artista, estilo específico ou gênero com o qual eu possa me relacionar,  então eu acho que isso me faz saltar muito entre estilos.

 

Foi uma das vencedoras do 6. Creole Global Music Contest. Parabéns! Como foi receber esta distinção e quão importante é para a sua carreira?

Obrigado! Fiquei super feliz com todo o processo de trabalho com os grandes músicos envolvidos: Matti Klein, Pedro Santana, Eudinho Soares e Philip Dornbusch. Eu sinto-me mais confiante nas minhas escolhas e expressões musicais agora. Ser uma das vencedoras teve até um impacto pequena em comparação com todo o processo por que passei, escrevendo a música no Rio, fazendo os arranjos em Berlim, encontrando depois esses excelentes músicos com quem colaborei, os ensaios, etc. Mas sinto-me realmente bem quando chamaram o meu nome. E o apoio que recebi das pessoas antes e depois da competição foi maravilhoso e encheu-me o coração.

 

Esteve recentemente no Rio de Janeiro para ganhar inspiração para os seus próximos trabalhos.Pode contar-nos um pouco mais dessa viagem e dos seus projetos futuros?

Um dos meus maiores sonhos sempre foi ir para o Brasil e aprender o máximo possível sobre a música, a cultura, a língua e a história.  Quando finalmente tive oportunidade, vivi lá por 6 meses em 2016 estudando com alguns músicos incríveis. Escrevi músicas, arranjos para bandas e também toquei em shows, que gravei ou realizava em parte, mas como os grupos eram um pouco diferentes, eu não tive a possibilidade de realizar tudo como um projeto só. Olhando para o futuro próximo, continuarei a escrever a minha própria música e vou terminar o meu EP.  Vou lançar dois Cds nos próximos 10 meses. Um com um projeto em que participo como cantora, baixista e compositora: Radio Citizen. O CD intitula-se "Silent Guide" e será lançado em novembro de 2017. No próximo ano, vou lançar o álbum "Onom Agemo and the Disco Jumpers". Provavelmente vou fazer turnês com ambas as bandas no próximo ano. Mas o que realmente espero que aconteça, é voltar para o Rio de Janeiro e gravar um álbum com Bernardo Ramos. Ele é um guitarrista e compositor incrível que conheci, por isso estou a concorrer para bolsas e a poupar o máximo para tornar este próximo sonho realidade! Há muitas coisas no horizonte que eu quero fazer. Mas ainda preciso trabalhar duro para que aconteçam!


 

 

Andreas Weiser - “Conexão Berlin”

 

“Conexão Berlin” é uma banda de Jazz  criada em 2012  com inspiração brasileira. Qual dos estilos mais vos inspira: Bossa Nova, Samba, Chorinho…?

Todos esses estilos brasileiros estão ligados ao conteúdo e a aspectos históricos. Entendemos a nossa música em sua relação com a tradição musical brasileira. Adoramos o poder e a variedade rítmica e harmoniosa da música brasileira. Mas nós vivemos na Europa. Aqui estão nossas raízes. Particularmente após a guerra, a música popular dos EUA, que também incluiu o jazz (antes de ser forçada no gueto acadêmico especialmente na Europa e particularmente na Alemanha), tornou-se parte de uma jovem cultura musical nacional na Europa e também na Alemanha. Agora sentimo-nos ligados a esta tradição de improvisação instrumental e groove, e tentamos combiná-lo com o nosso amor pela tradição musical brasileira, que é ela própria uma mistura de culturas europeias e africanas (como no caso do Choro) com o aumento ocasional de ingredientes indígenas (como Villa Lobos).

Como foi a experiência no 6. Creole - Global Music Contest e como correu o concerto no Werkstatt der Kulturen?

Ficámos muito satisfeitos por termos chegado à seleção final dessa competição. A nossa curta aparição no Creole foi muito divertida! Vimo-la como uma oportunidade para mostrar a nossa música para uma audiência que normalmente não é parte do nosso público, e provavelmente não tem notícias do nosso grupo, composto por músicos com carreira consagrada a nível europeu. Mas, na verdade, acho o caráter competitivo de tais eventos bastante questionável. As diferenças estilísticas durante esses três dias foram tão grandes que não consegui ver comparações de concorrência. Mas a atuação foi importante para mim e para nós. Foi uma pena, é claro, que tivéssemos apenas 20 minutos de tempo para competir. A nossa música é orientada para o groove e é baseada na improvisação, portanto leva tempo para desenvolver sua força total.

Que planos têm para o futuro da “Conexão Berlim”?

Concertos, claro! Tanto quanto possível e, se possível, em festivais pequenos, médios e até maiores na Alemanha, Europa e também em todo o mundo. Uma tarefa muito difícil. A cena dos festivais alemães na área do jazz está muito fechada. Para conquistar um lugar, são necessários os contatos certos E há que os conseguir primeiro! Mas estamos a trabalhar nisso. O que precisamos é de uma gestão razoável, nomeadamente, booking! Como todos os músicos sabem, é o calcanhar de Aquiles de qualquer projeto! Até agora eu administro tudo sozinho. Mas isso não é sustentável a longo prazo, especialmente quando vivo de forma freelance e com muitos projetos diferentes (composições de música para filme, outros projetos de banda, peças de rádio, etc.). Mas agora estou confiante de que, com essa banda, podemos encontrar alguém que esteja conosco, reconheça as qualidades de destaque deste projeto e nos apoie. Acabamos de ser nomeados com o CD "Jazz CD der Woche" pela NDR INFO. Isso já é algo! O meu amigo trompetista japonês e professor de Berkeley, Tiger Okoshi, fará contatos no Japão. Tenho um convite para um festival no Brasil em 2018 e estou a fazer contatos para uma nova tour. Se resultar, o grande saxofonista Carlos Malta do Rio de Janeiro será nosso convidado. Existe um plano da embaixada alemã em Belgrado para nos levar à Sérvia. No entanto, até então ainda não tinham acertado a parte financeira. E temos bons contatos para um ótimo festival na Malásia. Vamos ver. A resposta esmagadora do nosso público a todos os nossos shows me diz que estamos no caminho certo. Nós fazemos música emocional que entra nas pernas sem esquecer a cabeça.


 

Por fim, uma pergunta sobre o seu percurso profissional: escrita, composição musical, fotografia, percussão - todas fazem parte do seu currículo. Como concilia tantos interesses diferentes no seu dia-a-dia?

Boa pergunta! E não é raro fazerem-ma! Eu também mo pergunto às vezes! Mas eu nunca fui uma pessoa que se especializou numa função procurando apenas cumprir a sua realização. Estudei história, literatura e filosofia, e iniciei-me na percussão e a partir daí comecei a mergulhar mais profundamente na música. Sempre me interessei e inspirei por aspectos muito diferentes do mundo e da arte. Goethe e Humboldt são modelos para mim antes de Lang Lang por exemplo (mas talvez eu esteja errado nisso). Mas admiro profundamente os músicos, como meus colegas de banda Tino e Thomy, que são artistas incrivelmente disciplinados, criativos e virtuosos no seu campo. Thomy também fala excelente japonês e trabalha como tradutor profissional. Louco! Eu mesmo tenho uma imagem holística do mundo. Acredito que tudo está ligado a tudo. O meu signo é peixes. Talvez por isso seja relativamente fácil para mim descobrir coisas sobre fantasia e emoção e abordá-las. Sempre fui muito curioso. No entanto, eu tenho e me reivindico as várias coisas que faço para operar em um nível alto e não fico na superfície. Nenhuma coisa fácil que às vezes me coloca sob estresse. Há dois anos, tive um ataque cardíaco pesado e só sobrevivi com muita sorte e ajuda de muitas pessoas.Desde então, tento viver da minha maneira, criar e trabalhar o máximo que puder, tentando evitar da melhor forma possível o stress desta forma de trabalhar.

 

  

 
Please reload

Rita Guerreiro

Licenciada em Audiovisual e Multimedia pela ESCS – Escola Superior de Comunicação Social (Lisboa), chegou a Berlim em 2010. Depois de ter participado em vários projectos de voluntariado e iniciado o Shortcutz Berlim, juntou-se à nova equipa Berlinda em 2016 e desde então contribui com vários artigos e entrevistas para o magazine. 

Please reload

Freunde von Berlinda e.V. , Heimstr. 3, 10965 Berlin - info@berlinda.org 

BERLINDA 2019 · All rights reserved